quarta-feira, 25 de abril de 2012

Gatinhos




Ode ao gato
Pablo Neruda

Os animais foram
imperfeitos,
compridos de rabo, tristes
de cabeça.
Pouco a pouco se foram
compondo,
fazendo-se paisagem,
adquirindo pintas, graça, vôo.
O gato,
só o gato
apareceu completo
e orgulhoso:
nasceu completamente terminado,
anda sozinho e sabe o que quer.

1 comentários:

Teresa Aparecida de Aquino Soranso disse...

Menina, seu trabalho é lindo, muito lindo e adoro suas postagens com poesias! Parabéns! Bjs e tenha um lindo dia!

Postar um comentário